Pular para o conteúdo principal

FILOSOFIA POLÍTICA NA IDADE MÉDIA

O que determinou o fim da Idade Antiga, como sabemos, foi a queda do Império Romano do Ocidente (A queda de Roma), esse foi basicamente o início da Idade Média. Nesse período também tivemos uma intersecção entre a filosofia e a teologia cristã. Quem detinha o conhecimento e o poder era a igreja que passou a utilizar a filosofia grega para justificar seus pressupostos, pois até então as verdades estavam expostas nos livros do Novo Testamento, nas Sagradas Escrituras e nos ensinamentos passados pelos padres da Igreja.

Os antigos, como vimos em outros textos, preocupavam-se com o bem comum, buscando a cidade justa e as melhores formas de conviver, na Idade Média volta-se a ideia e a discussão do tema do poder e do domínio. Desta forma surgiu uma preocupação dos filósofos medievais, cujo objeto de pesquisa era as relações existentes entre o poder temporal e o poder religioso, onde o poder temporal seria o dos governos e o poder religioso ou espiritual seria o da igreja.

PODER TEMPORAL = GOVERNOS

PODER RELIGIOSO OU ESPIRITUAL = IGREJA

Então é possível afirmar que existiam quatro fontes: as sagradas escrituras, obras de Platão, Obras de Aristóteles e os códigos e leis dos imperadores romanos. Com isso, tendo essas fontes que muitas vezes caminhavam em direções e conclusões opostas, por exemplo, a bíblia fundada na fé e a filosofia na razão, precisavam adaptar ou encaixar as ideias para determinar o que de Platão ou Aristóteles seria aceito para “justificar” posicionamentos cristãos.

Surgiram então as teorias do poder teológico político, qual seja, o poder pertencia a Deus, Deus era quem escolhia os reis, o rei deveria possuir virtudes cristãs, a hierarquia política e social é considerada ordenada por Deus, no topo da hierarquia estão o papa (poder espiritual) e o imperador (poder temporal), na época a creditava-se que a vida temporal era inferior a vida espiritual, portanto, o maior objetivo do governante era a salvação da alma dos seus súditos, essa era a maior finalidade política daquela época.

Conclui-se, portanto, que havia a questão do Estado e da Igreja agindo conjuntamente. O servo deveria obedecer ao poder do rei e ao poder divino. Os princípios cristãos deveriam ser seguidos assim como a lei do rei. Daí nasceram doutrinas que defenderam a superioridade que existia entre o poder religioso sobre o poder civil. Os dois filósofos cristãos mais conhecidos nessa época foram Santo Agostinho (354 a 430 d.C.) e São Tomás de Aquino (1225 a 1274 d.C.).  

Agostinho e a filosofia política

Na Época Medieval existiam os Padres Apologistas, aqueles que conheciam o pensamento antigo que tinham um modo santo de viver, viviam de maneira ortodoxa e buscavam uma maneira de desenvolver uma sistemática apologética. Esse momento é denominado como Patrística, representada pelo Padre da Igreja Católica Santo Agostinho de Hipona.

Durante a nossa caminhada pelo universo político podemos observar que tanto Platão (427 a.C.) quanto Aristóteles (384 a.C.) buscavam uma forma de descrever uma cidade, ou a forma de viver ideal em sociedade. Agostinho desenvolveu uma obra que chamou de A Cidade de Deus, onde defendeu que existiria dois tipos de Cidade: a cidade material, terrena e a cidade de Deus, divina. A primeira seria descendente de Caim e a segunda descendente de Abel.

Posteriormente o Papa Gelásio I (492 a 496 d.C.), estabeleceu uma doutrina que seria referência para igreja durante cerca de 7 0u 8 séculos, pois ela apontava o princípio da superioridade do poder do Papa (a auctoritas) sobre o poder dos reis (a potestas), uma teoria, obviamente, favorável ao poder pontifício.

No século X, um monge da ordem de Cister, Bernardo de Claraval (1090 a 1153 d.C.) formulou a teoria das duas espadas, uma do poder temporal e outra do poder espiritual, todavia, partiu de uma interpretação teocrática, que determinava que o Papa teria as duas.

A Filosofia política em São Tomás de Aquino.

O pensamento da patrística tinha como base para formalização da sua filosofia, além do conteúdo cristão, bases platônicas. Já esse segundo período da Idade Média surgiu a escolástica cuja maior personalidade é Santo Tomás de Aquino (1225 a 1274 d.C.) que não tinha as bases fundadas em Platão, mas sim na revisão dos trabalhos de Aristóteles.

O procedimento escolástico consistia na formulação de um problema, depois dava conteúdos precisos as noções, considerava todas as teses existentes (favoráveis ou contrárias) e depois construía rigorosos argumentos, feitos principalmente de silogismos.

Tratou sobre fé e razão. Concluiu que a razão da igreja é dada por Deus. O homem deve agir com a razão que foi dada por Deus, mas a fé é suprema. Entre um conflito entre fé e razão, nós devemos optar pela fé. O poder do Estado não ficaria subordinado de forma absoluta ao poder da Igreja, mas de modo relativo, pois a autoridade da igreja é superior no tocante as coisas espirituais.

São Tomás também defendia a existência de quatro leis. As eternas (lex aeterna), a sabedoria imposta por Deus em todas as circunstâncias, as naturais (lex naturalis), que seria na verdade o prolongamento da lei eterna na sociedade humana, a dos homens (lex humana), o direito, as regras, as normas adaptadas pelos seres humanos para impedir que um homem faça mal a outro na sociedade e a lei de Deus (lex divina) que é a lei revelada pelos livros sagrados, como Deus é o Criador e Organizador do universo esta lei é a suprema e que prevalece sobre todas as outras.


Esse é um resumo sucinto dos filósofos da Idade Média mais importantes para o ocidente, entretanto, veremos mais adiante que no Oriente Médio também existiram personalidades importantes com ideias pertinentes para a filosofia como Avicenna (980 a 1037) e Averróis (1126 a 1198). Personalidades importantíssimas que desenvolveram posicionamentos sobre a obra aristotélica. Veremos em outro texto com mais detalhes.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Pierre LoganFormando em direito com inclinações filosóficas e licenciando em filosofia. Foi líder da banda Estado Mental, gravou o disco “A separação dos tempos” (2010). Atualmente, em sua carreira solo, lançou o disco Pierre Logan: Crônicas de um mundo moderno (2015), cuja proposta (rock filosófico) o deixou na vanguarda dos roqueiros mais promissores da nova leva da cena independente. Atualmente mora em São Paulo e também é colunista do jornal SP em notícias, publicou vários artigos sobre política e filosofia. Mais informações acesse o site oficial 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILOSOFIA POLÍTICA NA ANTIGUIDADE: PLATÃO E ARISTÓTELES

PLATÃO (427 a.C.)
Arístocles, mais conhecido como Platão, nasceu em Antenas no seio de uma família aristocrática de políticos reconhecidos, é tido como o pai da filosofia política e sem dúvida um dos maiores pensadores do mundo ocidental. Tornou-se aluno de Sócrates (470 a.C.) e posteriormente fundou a Academia, uma escola de filosofia, e escreveu mais de vinte diálogos.
Suas principais contribuições para filosofia foram A Teoria das Ideias, A Teoria da Reminiscência, a Teoria das Três Partes da Alma e os Graus do Conhecimento. Essas são basicamente as principais formulações teóricas que fazem parte do sistema epistemológico platônico.
Um dos seus mais famosos escritos é A República (politeia), que significa “organização da cidade” que foi escrito em 373 a.C. divido em dez capítulos. Neste diálogo Platão reflete sobre como deveria ser constituída uma cidade justa. 
Dentre as várias ideias tratadas nessa obra, para a filosofia política é interessante destacar os livros VIII e IX, onde Pl…

O PENSAMENTO POLÍTICO CONTEMPORÂNEO

O pensamento político contemporâneo não seria possível sem Michel Foucault e Hanna Arendt.
Hanna Arendt
Nascida em 1906, na Alemanha, mas de origem judaica, estudou filosofia na Universidade de Marburg. Conheceu Heiddegger e, ainda que ele tenha a influenciado, ela não se via como uma filósofa, mas sim como uma cientista política. Arendt viveu na Alemanha na época em que o nazismo se estabeleceu, sofreu como todos os judeus e saiu do país em 1933 e foi para França. Devido a invasão dos alemães a França, ela foi enviada para um campo de concentração, mas logo fugiu e foi para Nova York, se tornou jornalista e depois professora na New School of Social Research. Tornou-se um dos maiores nomes do pensamento político contemporâneo por seus estudos sobre os regimes totalitários, foi a primeira a escrever sobre o Terceiro Reich sob a perspectiva da civilização ocidental, que fez com que ela fosse muito criticada e acusada de não amar o povo judeu.
Hanna observou duas características da socied…