Pular para o conteúdo principal

FILOSOFIA E POLÍTICA

O que é filosofia política?

Incialmente devemos recordar que a filosofia como conhecemos no Ocidente surgiu no século V a.C. na Grécia Antiga. O pensamento filosófico foi marcado pela passagem do pensamento mítico estabelecido por Hesíodo na sua conhecida Teogonia, para o pensamento racional quando surge a ideia do logos (que pode ser traduzido como: o verbo, palavra escrita ou falada). Os primeiros filósofos ficaram conhecidos como pré-socráticos (porque vieram antes de Sócrates), olhavam para a physis (a natureza) e buscavam a arché (o princípio de todas as coisas, a origem de tudo, o motivo inicial).

Como se pode notar no parágrafo anterior, o pensamento filosófico não se preocupava muito com a questão social, mas depois dos pré-socráticos, passou-se a discussão das questões voltadas para o homem, para natureza humana. Os responsáveis pelo início dessa discussão foram pensadores como Sócrates (470 a.C.) e os sofistas (professores de argumentação), dessa forma, iniciou-se um debate sobre as questões políticas e sociais.

É possível definir a filosofia política como sendo a área de filosofia que estuda a convivência dos humanos em grupo, em sociedade e de discutir assuntos que se relacionam com a vida comum, portanto, estabelece teorias de como deve ser um Estado e qual seria a forma do governo ideal do ponto de vista político.

Não seria equivocado dizer que a filosofia política começou com Sócrates. Ele era legalista ao extremo e defendia que até as leis injustas deveriam ser respeitadas. Muitos consideraram seu julgamento injusto (foi condenado à morte por duvidar dos deuses e corromper a juventude) e mesmo tento oportunidade de fugir se recusou, pois dizia que fugir era contra as leis da cidade.

Política

A Grécia Antiga não era uma cidade, mas várias cidades estados autônomas que que a constituíam. Essas cidades eram chamadas de pólis, daí o nome política ou politiké. Com isso pode-se concluir que política era (e é) uma prática que se relacionava com o modo de vida daquelas pessoas. Antes dos gregos pode se dizer que não existia política, mas sim, o exercício do poder despótico ou patriarcal.

Para Aristóteles (384 a 322 a.C.) o homem é um  zoon politikon (animal político) o que significa que para o filósofo a política é algo que faz parte da natureza humana. A política seria, nesse sentido, uma característica biológica própria do ser humano e não uma escolha.

Para que política?

A política, como já dito aqui, é algo inerente ao ser humano. O homem busca uma vida boa, justa, feliz etc., mas para alcançar esse objetivo será necessário unir a política com a ética. Tanto Aristóteles (384 a 322 a.C.) como Platão (428/427 a 348/347) afirmavam que as qualidades da polis dependiam das qualidades do cidadão, o que significa que somente numa cidade boa e justa os homens poderiam ser bons e justos e assim fazer a cidade boa e justa. Para se conseguir esse feito precisaríamos da ética.

Ética deriva de ethos, que significa caráter ou costume. Também costumamos definir ética como sendo uma reflexão acerca dos valores, padrões e normas estabelecidos pelos homens ao viverem em sociedade. Seria, digamos, a busca da melhor convivência para todos.

Para nós aqui do Brasil faz sentido falar em ética e política de modo separado, ou como se fossem coisas distintas, mas para os gregos do século V a.C., não se falava em uma coisa sem a outra. Política e ética eram indissolúveis, de modo que não era possível pensar em uma coisa sem a outra.

Sofistas e a política

Sofista vem do grego sophos (sábio). Não obstante o significado seja esse, utilizavam o termo para aqueles cujo conhecimento tinha alguma utilidade (conhecimento técnico), não para pessoas que sabiam muitas coisas. Os sofistas (sophistes) acreditavam que os seres humanos criaram a polis porque era mais vantajoso e por isso estabeleceram alguns acordos, leis etc., de maneira tal que pudessem conviver pacificamente. Eram relativistas obviamente, pois declaravam em sua doutrina filosófica que as verdades são relativas e mutáveis (dependia de cada um). Para esses eles nossas verdades são provisórias e dependia da preferência, do gosto, da cultura de cada ser.

O sofista com maior destaque foi Protágoras de Abdera (485 a 415 a.C.) que afirmava que “o homem é a medida de todas as coisas, daquelas que são e daquelas que não são”. Em outras palavras, não existe uma verdade absoluta nem definitiva. Isso também servia para a política.

Para esses pensadores, a política não era algo que buscava a verdade (alethéia), mas a opinião (doxa), por isso, os filósofos, que buscavam a verdade, fizeram forte oposição aos sofistas.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Pierre LoganFormando em direito com inclinações filosóficas e licenciando em filosofia. Foi líder da banda Estado Mental, gravou o disco “A separação dos tempos” (2010). Atualmente, em sua carreira solo, lançou o disco Pierre Logan: Crônicas de um mundo moderno (2015), cuja proposta (rock filosófico) o deixou na vanguarda dos roqueiros mais promissores da nova leva da cena independente. Atualmente mora em São Paulo e também é colunista do jornal SP em notícias, publicou vários artigos sobre política e filosofia. Mais informações acesse o site oficial 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILOSOFIA POLÍTICA NA ANTIGUIDADE: PLATÃO E ARISTÓTELES

PLATÃO (427 a.C.)
Arístocles, mais conhecido como Platão, nasceu em Antenas no seio de uma família aristocrática de políticos reconhecidos, é tido como o pai da filosofia política e sem dúvida um dos maiores pensadores do mundo ocidental. Tornou-se aluno de Sócrates (470 a.C.) e posteriormente fundou a Academia, uma escola de filosofia, e escreveu mais de vinte diálogos.
Suas principais contribuições para filosofia foram A Teoria das Ideias, A Teoria da Reminiscência, a Teoria das Três Partes da Alma e os Graus do Conhecimento. Essas são basicamente as principais formulações teóricas que fazem parte do sistema epistemológico platônico.
Um dos seus mais famosos escritos é A República (politeia), que significa “organização da cidade” que foi escrito em 373 a.C. divido em dez capítulos. Neste diálogo Platão reflete sobre como deveria ser constituída uma cidade justa. 
Dentre as várias ideias tratadas nessa obra, para a filosofia política é interessante destacar os livros VIII e IX, onde Pl…

FILOSOFIA POLÍTICA NA IDADE MÉDIA

O que determinou o fim da Idade Antiga, como sabemos, foi a queda do Império Romano do Ocidente (A queda de Roma), esse foi basicamente o início da Idade Média. Nesse período também tivemos uma intersecção entre a filosofia e a teologia cristã. Quem detinha o conhecimento e o poder era a igreja que passou a utilizar a filosofia grega para justificar seus pressupostos, pois até então as verdades estavam expostas nos livros do Novo Testamento, nas Sagradas Escrituras e nos ensinamentos passados pelos padres da Igreja.
Os antigos, como vimos em outros textos, preocupavam-se com o bem comum, buscando a cidade justa e as melhores formas de conviver, na Idade Média volta-se a ideia e a discussão do tema do poder e do domínio. Desta forma surgiu uma preocupação dos filósofos medievais, cujo objeto de pesquisa era as relações existentes entre o poder temporal e o poder religioso, onde o poder temporal seria o dos governos e o poder religioso ou espiritual seria o da igreja.
PODER TEMPORAL = GO…

O PENSAMENTO POLÍTICO CONTEMPORÂNEO

O pensamento político contemporâneo não seria possível sem Michel Foucault e Hanna Arendt.
Hanna Arendt
Nascida em 1906, na Alemanha, mas de origem judaica, estudou filosofia na Universidade de Marburg. Conheceu Heiddegger e, ainda que ele tenha a influenciado, ela não se via como uma filósofa, mas sim como uma cientista política. Arendt viveu na Alemanha na época em que o nazismo se estabeleceu, sofreu como todos os judeus e saiu do país em 1933 e foi para França. Devido a invasão dos alemães a França, ela foi enviada para um campo de concentração, mas logo fugiu e foi para Nova York, se tornou jornalista e depois professora na New School of Social Research. Tornou-se um dos maiores nomes do pensamento político contemporâneo por seus estudos sobre os regimes totalitários, foi a primeira a escrever sobre o Terceiro Reich sob a perspectiva da civilização ocidental, que fez com que ela fosse muito criticada e acusada de não amar o povo judeu.
Hanna observou duas características da socied…